Comentários sobre “A Natureza das Coisas” de Lucrécio

No primeiro trecho do texto Lucrécio (que você encontra em Compartilhar, neste blog) apresenta sua ideia que basicamente critica a Geração Espontânea, ele argumenta que nada vem no nada. As coisas e os seres não são gerados naturalmente de quaisquer coisas e sim do que ele diz, “poder particular”, que reside em cada ser capaz de gerar o seguinte. Ele apresenta sua ideia de forma discursiva, não recorre a experimentação ou coisa do tipo.

Rejeita a ideia de que o princípio das coisas esteja inerte, propõe que esta origem seja dinâmica, levada por seu próprio peso e em colisão com outros átomos. Para argumentar este movimento das coisas menores ele recorre a proposta de observação, qualitativa, dos raios do sol que entram por uma fresta e ilumina parte de um quarto escuro. Neste feixe de luz será possível ver o movimento das partículas menores, por Lucrécio, partículas que estão em constante luta, num movimento caótico. Ora, isto não passa de uma prévia do que conhecemos hoje por Movimento Browniano.

Anúncios

2 comentários

  1. Olá!
    Sempre combati a Geração Espontânea, não apenas pela minha formação em Ciências Biológicas, mas por entender a metafísica vitalista que aí existia. Mas, depois de meus Mestrado e Doutorado (muitas leituras e pensares, é claro!), posso contradizer Lucrécio não por sua idéia que critica a Geração Espontânea, argumentando que ‘nada vem no nada’. Penso que ele mesmo se contradiz: “Quer dizer que ‘Nada vem do nada’ quando deixa transparecer que ‘Tudo vem do Nada’!

    Isto hoje me parece cada vem mais evidente, pela leitura de Hegel e de outros tantos pensadores desta estirpe: O Tudo vem do Nada!

    Um exemplo bem corriqueiro: a pintura de Van Gogh era Nada: era uma tela, um pincel, as tintas, ele, suas idéias, suas habilidades, seus inresses e motivações, suas emoções, sua história de vida, seu tempo, enfim, era um NADA de muitas coisas! A obra que resulta passa a ser tudo: uma pintura de van Gogh, que não existia como tal! Ela se faz TUDO por esta congruência entre tantas coisas distintas e desconectadas, a priori!

    Outra comparação, é minha toalha de rendas, de crochê: a princípio, é NADA: são a agulha, a linha, uma idéia na cabeça, os pontos, minhas habilidades de “savoir faire”, um propósito, uma inspiração, criatividade etc. Começo. No percurso, surge outra idéia, mudam os interesses, falta linha daquela nuance, tenho que optar por outra, mudo o ponto até que, bem depois, surge a obra, a “toalha” pronta! É o tudo! Não existia assim, veio do NADA (pleno de tudo).

    Lucrécio não enxergou isto! Prendeu-se às aparências’!

    Curtir

  2. Sou um espírito aberto a todas as eternas incertezas de um Mundo incompreensivel a qual não devemos e podemos defender nenhuma teoria ou idéias preconcebidas. Não há maneiras de tratar do seres humanos com um alto grau de objetividade. Estou sempre perdido na ilusão do fazer de conta desta minha vida superficial e pequena. Somos animais primitivos vivendo no regresso de achar que a futilidade nos trará qualquer tipo de felicidade, sendo que a mesma não existe. Precisamos de uma luz que nos possa dirigir a toda essa confusão criada pelo”progresso” destruidor, devastador e ilusório da natureza belissima e única da qual fazemos parte.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s