Justiça reabre tombamento e impede demolição do Belas Artes

Support the cause. Be counted:

I Read This

Justiça reabre tombamento e impede demolição do Belas Artes

O Movimento pelo Cine Belas Artes (MBA) obteve na segunda-feira, 19/12/2011, uma vitória histórica em sua luta pela reabertura do icônico cinema da esquina da Consolação com a Paulista. A um dia do ínício do recesso judiciário, a Justiça concedeu liminar a uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Estadual reabrindo os processos de tombamento nos órgãos de defesa do patrimônio municipal (Conpresp) e estadual (Condephaat). A medida também impede o dono do prédio de demoli-lo ou reformá-lo enquanto não houver uma conclusão derradeira sobre seu destino. Veja abaixo a íntegra da decisão.

Enquanto isso, o Manifesto pelo Cine Belas Artes já recebeu mais de cem adesões. Entre os apoios, há figuras ilustres como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o senador Eduardo Suplicy, o jurista Celso Antônio Bandeira de Mello, a atriz Eva Wilma, o diretor de teatro Antunes Filho, o líder do Teatro Oficina Zé Celso Martinez Corrêa, o cantor e compositor Jorge Mautner, o jornalista Zuenir Ventura, o diretor do Sesc/SP Danilo Miranda, o economista Paul Singer, o antropólogo Edgard Carvalho de Assis (ex-presidente do Condephaat) e os arquitetos e urbanistas Cândido Malta Campos Filho, Nabil Bonduki, Raquel Rolnik e Ricardo Ohtake, diretor geral do Instituto Tomie Ohtake e ex-secretário de Estado da Cultura.

Vai aqui o agradecimento do MBA ao promotor Washington Luís Lincoln Assis por ter acolhido nossos relatos e documentos e estudado vastamente o caso. A Ação Civil Pública que ele elaborou pode contribuir para uma mudança positiva no olhar dos órgãos de defesa do patrimônio para a cultura de rua. Além de apontar irregularidades no comprimento da lei e do regimento na condução dos processos de tombamento no Conpresp e no Condephaat, Assis destaca a necessidade de os órgãos valorizarem os estudos de seus técnicos – o que não tem ocorrido.

O MBA espera que os dois órgãos evitem recorrer da medida, o que poderia liberar o prédio novamente para reformas ou demolição por seu dono. No lugar de recursos, o MBA anseia que tanto o Conpresp quanto o Condephaat cumpram as regras do jogo e realizem audiências públicas para discutir o assunto com especialistas e a sociedade civil.

http://links.causes.com/s/clzxyE=

Processo: 0048031-09.2011.8.26.0053
3ª Vara de Fazenda Pública – Foro Central – Fazenda Pública/Acidentes
Requerente: Ministério Público do Estado de São Paulo
Promotor: Washington Luis Lincoln de Assis
Requerido: Fazenda Pública do Município de São Paulo

Decisão Proferida
"Vistos. Os fatos alegados na inicial são sérios e preocupantes. Há indícios, ao menos no exame preliminar da matéria, de que não foram observados os procedimentos necessários e legais ao exame da qualidade cultural do imóvel em questão. Há, pois, um aspecto formal e outro material. Sob o aspecto formal, há indícios de não observância de procedimentos adequados, tanto pelo CONPRESP quanto pelo CONDEPHAAT e sob o aspecto material grassa enorme divergência sobre o patrimônio que se quer proteger. A demora na apreciação da questão pode tornar de todo imprestável o provimento final, caso nada se faça nesse momento. A dizer, se não for determinada a paralisação de medida tendente a alterar o imóvel, seja com reforma ou mesmo demolição, de nada adiantará reconhecer-se, ao final, que o imóvel tinha valor cultural. O Brasileiro não é dado a preservar sua cultura, infelizmente. Valores econômicos e financeiros têm falado mais alto que valores culturais e ambientais. Quase sempre o fato consumado impede a preservação da memória e a manutenção dos valores humanos fundamentais. Importante destacar que estamos às vésperas de um recesso forense; mas a economia não para, tampouco tratores, construções, demolições e reformas. Assim, diante dos interesses em conflito e ainda que em caráter provisório, pela urgência da situação, mostra-se razoável o acolhimento do pedido de liminar, sem ouvir as partes contrárias, para o fim de se determinar:

A) a citação das corrés;
B) a reabertura dos processos de tombamento, com observância dos procedimentos legais;
C) a notificação do proprietário para cessar toda e qualquer medida no imóvel, tendente a alterar a situação, descaracterizando-o, seja em razão da reabertura dos processos de tombamento, seja pela necessidade de se preservar o local até melhor exame da matéria, com a formação do contraditório.
D) a imposição de obrigação de fazer às rés no sentido de zelar pela preservação desta decisão, especialmente a preservação do imóvel, objeto central da discussão.
Fixo, para o caso de descumprimento das obrigações impostas, multa diária no valor de R$100.000,00 (cem mil reais), limitada, inicialmente, a trinta dias. Cópia desta decisão, assinada digitalmente, valerá como ofício e/ou mandado, facultando-se à parte autora o encaminhamento, comprovando-se nos autos o recebimento. Cumpra-se. Intime-se.

São Paulo, 19 de dezembro de 2011.
JAYME MARTINS DE OLIVEIRA NETO Juiz de Direito"

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s