Os Desclassificados

Publico abaixo o conto da amiga Ângela Lyra, inspirado por um lamentável comentário familiar… Ela mesmo explica:

Hoje, li a postagem da minha amiga Dany Lima sobre a reação absurda (“Parabéns! Agora sua filha tem um visual super despojado de sapatão”), ao novo corte e, diga – se de passagem, estilosíssimo, da sua linda filha Agatha, me inspirei e escrevi este conto! Dedico a Todas as Agathas e a um mundo com mais liberdade e menos classificações absurdas!

Os Desclassificados

Em algum lugar, em algum tempo, não sei onde nem quando (e isso realmente não importa), havia uma civilização muito organizada que vivia em uma espécie de presídio.
Era uma comunidade autônoma, fechada dentro de seus enormes muros, de onde nenhum de seus moradores nunca sentira necessidade ou curiosidade de sair.
Uma sociedade altamente classificada, organizada, encaixada. Nela, um inteligentíssimo sistema tratava de classificar e agrupar, desde seu nascimento, cada um dos habitantes daquele local, seguindo com sua subclassificação e reagrupamento até que conseguisse reunir em cada micro-espaço as pessoas mais parecidas e afins possíveis e, desta forma, com esta classificação minuciosa, cada qual convivia com pessoas afins, evitando-se possíveis conflitos.
Assim, quando uma pessoa nascia, já era classificada quando ao gênero, cor, tamanho e tudo o que fosse possível ser classificado ao nascimento. Então, feito a classificação, era imediatamente determinado o local onde este ser deveria habitar. Na medida em que esta pessoa demostrava suas particularidades, suas vontades e fazia suas escolhas naturais, ela era reclassificada e realocada de acordo com suas características. Desta forma, o sistema conseguia classificar e reclassificar cada um daquele lugarejo e agrupa-los para que mantivessem uma vida pacata, sem conflitos, sem discussões e, principalmente, sem questionamentos. E assim todos viviam muito bem e felizes! Tinham tudo o que precisavam naquela comunidade!
Até que um dia sem saber de onde, quando e nem o por quê um novo ser nasceu naquela sociedade! Era alguém muito estranho. Um ser que não se podia classificar! “Inclassificavel”! Desclassificado! Desencaixado! Não tinha cor, não tinha gênero!!! Uma aberração!!!!
Foram tomadas as medidas de segurança pública para que o caso não vazasse para a imprensa! Ninguém poderia saber da existência do tal ser! Os chefes de cada facção da sociedade, de cada micro classificação, foram chamados para uma reunião de emergência! E após longo período de discussão foi decidido que esta estranha criatura seria mantida isolada e escondida das demais pessoas da sociedade.
A pobre criatura foi crescendo cada vez mais desclassificada, suas características, vontades e escolhas não eram dignas de classificações.
Acontece, que inexplicavelmente, talvez uma epidemia causada por uma intoxicação alimentar ou por alguma alteração na composição dos cereais ingeridos pelas gestantes da comunidade, outras destas estranhas criaturas começaram surgir. Uma… duas… dez… centenas…!!! Todos assim!!! “Inclassificados”! Desclassificados! Desencaixados!
Neste momento, você pode imaginar que o sistema encontrou uma classificação: Classificar os inclassificados como os DESCLASSIFICADOS e pronto! Tudo resolvido! Mas não!! Estes seres tinham uma particularidade, eles eram todos diferentes entre si! Desde a aparência, passando pelo seu comportamento e até seus desejos mais profundos: Eram completamente diversos! E o sistema não via alternativa, tinham que permitir que vivessem juntos, pois não tinha espaço para colocar cada qual em uma solitária!
Assim, eles conviviam, discutiam, debatiam, aprendiam uns com os outros, com suas diferenças e suas diversidades e, para desespero dos chefes do sistema, eles aprenderam a questionar.
E questionavam: As classificações, as segregações, as leis, as divisões dos espaços, os muros. E começaram a fazer barulho! E começaram a incomodar! E começaram a serem vistos por todos naquela sociedade!
Os Chefes reuniram a imprensa! Alertaram a todos que mantivessem distância destes estranhos seres! Pois eram perigosos e poderiam levar toda a sociedade ao caos e à perdição!
A imprensa cumpriu com seu trabalho! Apavorou a todos! Ninguém naquela sociedade daria ouvidos pr’aquela gente estranha e amaldiçoada!
Os Desclassificados foram a julgamento! E com decisão unânime foram banidos da comunidade!
Foram expulsos! Postos para fora das muralhas daquela civilização!
E eles saíram! Saíram para o mundo! Para a natureza! Para a vida!
Para a LIBERDADE!

 18403501_1295658993885904_3606749760825199981_n
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s